Despedida

junho 14, 2010

“Depois da chegada vem sempre a partida, porque não há nada sem separação” e com essa frase de Vinícius de Morais, encerramos nossa jornada no Vovó Delícia, projeto da disciplina de Teorias e Práticas Jornalisticas para Meios OnLine, da Universidade Federal do Espírito Santo.

Esperamos ter alcançado nossos objetivos, agradecemos a todos que frequentaram e foram fiéis ao nosso blog.

Até o próximo trabalho.

Ana Elisa Bassi, Luiza Boulanger e Sérgio Rangel.

Entenda o Abuso contra o idoso

junho 13, 2010

O abuso contra o idoso é a agressão física, emocional ou psicológica. O abuso pode tomar também a forma de exploração financeira ou negligência intencional ou não do adulto que deve tomar conta do idoso.

Quais são os tipos de abuso contra o idosos?

– Físico: Inclui bater, golpear, medicação imprópria e privação física.

– Sexual: Toque sexual indesejado ou ser obrigado a atos sexuais.

-Emocional: inclui insultos, intimidação, ameaças, ignorar ou isolar o idoso.

– Financeiro: inclui fraude, roubo, mau uso do dinheiro ou da propriedade, ou intimidar o idoso a fim de obter do idoso acesso aos fundos  ou propriedade.

-Violação dos Direitos: inclui reter informações, interferir com a correspondência, ou confinar o idoso em uma instituição ou hospital.

– Negligência: inclui deixar os idosos sem alimento, abrigo adequado ou sem alguém para cuidar dele.

Quem são seus agressores?

O abuso contra idosos, muitas vezes, ocorre na família, perpetrado pelo cônjuge, filhos e/ou netos. Porém, os agressores também podem incluir amigos, vizinhos, proprietários, cuidadores pagos e staff, ou qualquer indivíduo em posição de poder, confiança ou autoridade.

Quais são os efeitos?

-Efeitos sobre a saúde: O abuso exerce impacto significativo sobre as pessoas de todas as idades, mas os idosos podem ser especialmente vulneráveis. Em geral, os idosos têm menor força física e menor possibilidade de recuperação do que os mais novos.

– Efeitos Financeiros: Quando o ofensor rouba ou controla o dinheiro do idoso ou a propriedade, o idoso pode ter menos recursos para cuidar de sua saúde, de sua casa, de sua nutrição e atividades.

– Efeitos Sociais: Os efeitos do abuso e da negligência podem passar de geração a geração. Por exemplo, os netos que testemunham esse abuso podem entender que comportamentos negativos para com os idosos são aceitáveis e assim perpetuam o desrespeito.

Pesquisa: Mistério da Mulher – ASES

Por Sérgio Rangel

Dieta controlada

junho 11, 2010

Dona Mafalda, avó de uma das minhas melhores amigas, é aquela mãezona italiana, cozinheira de mão cheia! Mora sozinha, faz tudo do seu jeito, e de vez em quando dá uma dorzinha de cabeça para os filhos e para os netos. Tive a oportunidade de conhecê-la no ano passado, já que mora em Belo Horizonte, foi aí que soube do seguinte caso…

Com seus quase 80 anos, Dona Mafalda tem preferido deixar os banquetes que ela cozinha exclusivos às reuniões familiares, e olhe lá! No seu dia a dia passou a comer na rua, em restaurantes, mas com os filhos de olho na sua alimentação.

Em um acidente doméstico, quebrou o braço e precisou ficar sem fazer exercícios e movimentos bruscos por algum tempo. Dona Mafalda começou a engordar.

Preocupados com os problemas que ela poderia ter a partir daí, eles levaram a Dona Mafalda em um endocrinologista, que passou uma dieta muuuito controlada, comendo em casa, com horários definidos.

E Dona Mafalda ainda engordava.

Alguma coisa estava errada! A dieta do médico era praticamente frutas e cereais em todas as refeições… os filhos resolveram investigar.

E o que descobriram?

Que ao dizer que ia à Igreja Dona Mafalda, na verdade, ia ao Bingo!

E o que isso tem a ver?

No caminho, ela passava por um Habibs e pedia uma promoção com 10 bib’sfihas e 5 minikibes. Passava pelo Mc Donalds e comia uma promoção do Big Mac. Ah, ainda tinha um sorvetezinho de sobremesa antes do bingo começar.

Essa dieta eu quero!

Realmente, Dona Mafalda seguia a dieta direitinho… em casa como o médico mandou! Na rua já são outros quinhentos….

Por Ana Elisa Bassi

A mágica relação entre o homem e seu engenho

junho 10, 2010

"...o motor, a potência, a velociade..."

O homem produziu ao longo do tempo diversos objetos de consumo que, por uma ou outra razão, obtiveram por notoriedade o status de Cult Objects.
Objetos que transcendem o bom design e de forma quase inexplicável, fascinam o consumidor obtendo assim um sucesso de vendas ilimitado.
“Cult Object – inglês, cult: culto, devoção, veneração”. Objeto produzido industrialmente, cujo design tem características de excelência que vão além da simples funcionalidade. Os mais puros recursos de design são postos em jogo e o cult object encerra uma mensagem capaz de individualizá-lo para pessoas que valorizam suas qualidades. (Mais em: Auto Classic)
Carros são os melhores exemplos a serem dados: o motor, a potência, a velocidade… nada mais encantador para o homem. A idéia é realmente de poder. E, ainda, independência, liberdade. Com ele extrapola-se o ter, o parecer e direito de ir e vir.

Volto a falar hoje do meu Vovô Delícia! Vô Benedito, ou Zé Mayer capixaba (para os que leram o último post sobre ele!).

Após passar por uma angioplastia para desobstruir algumas veias do coração, a recomendação do médico antes que ele deixasse o hospital foi: repouso absoluto!

Com ele já em casa e todos os familiares tranqüilos por tudo ter dado certo, toca o telefone da minha casa com a notícia: o vovô sumiu!

A pergunta geral: Como sumiu??????????????????
Ele estava em casa com a minha vó e dois filhos! Em repouso absoluto! E sumiu???????

Nada no banheiro, na sala, em lugar algum! Nada no hall dos elevadores, até porque, ele não sairia de casa!

Foi quando ligou o porteiro avisando: o Seu Benedito está de pijama na garagem!

Que pós-operatório que nada!
É claro, meus amigos, que ele estava na garagem! Como não pensamos nisso!

Ele desceu para ligar e aquecer o motor do carro! Simples assim!

Por Ana Elisa Bassi

A Vovó Rambo

junho 9, 2010

Ela resolveu fazer justiça com as próprias mãos.

O nome dessa simpática vovó é Ava Estelle, à época, ela tinha 81 anos. Mas não se deixe enganar pelas aparências. Na Austrália, onde mora, Ava é mais conhecida por “Vovó Rambo”. Tudo isso, porque em meados de 2008, ao saber que sua neta de 18 anos foi estuprada, por dois homens, assim como o personagem dos filmes, ela resolveu fazer justiça com as próprias mãos.

 Deixe-me explicar melhor esse causo.

A história da Vovó Rambo começa em 21 de agosto. Debbie, sua neta foi agarrada e violentada em plena luz do dia pelos dois bandidos armados de facas. “Quando vi a expressão no rosto da minha Debbie, aquela noite no hospital, decidi que sairia sozinha atrás daqueles bastardos, porque imaginei que a lei seria branda com eles”, relatou a bibliotecária aposentada. “E eu não estava com medo deles porque eu tinha um revolver e tinha atirado durante toda a vida”, revelou Rambo, digo, Ava.

Assim, usando um esboço dos suspeitos e da descrição feita por Debbie, a vovó passou sete dias rondando a vizinhança, onde o crime havia acontecido, até ver os estupradores entrarem no hotel em que moravam.

“Eu sabia que eram eles no minuto em que os vi, mas ainda assim fiz uma foto deles e a levei para Debbie e ela disse, segura como o diabo, que eram eles. Assim voltei para o hotel e encontrei o quarto deles e bati na porta, e no instante em que o bandido abriu a porta eu atirei em linha reta entre suas pernas, exatamente onde ele realmente ficaria mais ferido, sabe. Então entrei e atirei no outro quando ele recuou, suplicando-me que o poupasse. Então fui até a delegacia de polícia e me entreguei”, relatou Vovó Rambo.

É isso mesmo que vocês estão pensando. A delicada vovó Ava Estelle, de 81 anos, ficou tão chocada quando dois delinqüentes estupraram sua neta de 18 anos, que quando ela conseguiu localizar os criminosos, ela os baleou nos testículos. Digna do apelido, não é?

“A velha senhora passou uma semana caçando esses homens e quando os encontrou, vingou-se desta forma inusitada”, disse Evan Delp, investigador da polícia de Melbourne. Em seguida, ela tomou um taxi, foi até a delegacia de polícia mais próxima, colocou a arma no balcão do sargento de plantão e lhe disse, com toda a calma:

 
 
Vai encarar?

 – Por Deus, esses bastardos não vão estuprar mais ninguém!

Os policiais disseram que Davis Furth, de 33 anos, ex-condenado e estuprador, perdeu o pênis e os testículos quando Ava abriu fogo com sua pistola de 9 mm, no quarto do hotel, onde ele vivia junto com Stanley Thomas, de 29 anos, seu companheiro de cela do período em que haviam cumprido pena na cadeia.

A Vovó Rambo também atingiu os testículos de Thomas, mas no hospital, o médico procurou salvar seu pênis mutilado. “Thomas não perdeu sua masculinidade, mas o médico com quem conversei disse que ele não poderá usá-lo como antigamente”, disse o investigador Delp aos repórteres. “Os dois homens ainda estão em más condições, mas acho que devem estar felizes por terem sobrevivido, depois daquilo que passaram”, finalizou.

Agora, a polícia tenta achar uma solução para situação da Vovó Rambo, uma vez que ela infringiu a lei, por porte ilegal de armas e por tentativa de homicídio. “O que ela fez está errado e ela infringiu a lei, mas é difícil mandar uma velha senhora de 81 anos para a cadeia. Especialmente quando três milhões de pessoas na cidade querem nomeá-la prefeito.” Completou.

Inacreditável, não?

Por Sérgio Rangel

O famoso frango da Luiza

junho 8, 2010

No feriado que acabou de passar fui ao Rio de Janeiro com quatro amigas. Durante uma conversa uma delas, para espanto de todas as outras, fez a seguinte pergunta: “o que é blog?”

Na tentativa de explicar o que seria um blog e qual a diferença dele para um site, citei o exemplo do Vovó Delícia. Expliquei o que era, o porque de termos criado e etc. Quando terminei de explicar uma delas falou: “nossa, eu entraria nesse blog achando que seria de receitas”. Fiquei pensando nisso e percebi que realmente o nome pode passar essa ideia, já que vovós normalmente são ótimas cozinheiras.

Pensando nisso resolvi contar a história e dar a receita do “Frango da Luiza”, ou seja, o meu frango.

Bem antes das comidas congeladas da Sadia se popularizarem, minha avó inventou uma nova forma de fazer frango e apresentou-o a família em um almoço de sábado. Basicamente era peito de frango frito recheado com queijo e presunto. O frango fez o maior sucesso, todos adoraram. A partir daí eu sempre pedia pra ela fazê-lo novamente.

De tanto ela falar: “fiz o frango pra Luiza”, o frango acabou virando “da Luiza”. E é assim que é conhecido por toda a família. A Sadia até tentou copiar, mas o recheio não chegava nem perto do da minha avó e a mudança não foi bem aceita na família

Agora que não moramos mais na mesma cidade, sempre que vou a Belo Horizonte ou ela vem a Vitória, tenho que comer o frango. As minhas amigas, quando sabem que a vovó está pra chegar, já ligam para saber quando vai ter o frango, porque elas também querem.

Resumindo: o meu frango é muito famoso!

Para os que ficaram com água na boca ai vai a receita:

Pegue um bife de peito de frango, corte-o no meio sem separar totalmente. No meio coloque uma fatia de presunto e catupiry a gosto. Feche a parte que foi aberta. Passe na farinha de rosca e frite-o. Caso prefira, pode colocar no forno, não fica tão saboroso, mas é uma alternativa bem menos calórica.

Por: Luiza Boulanger

Vovó Delícia em clima de Copa do Mundo

junho 7, 2010

 

Os camaroneses chamam Milla por "Excelência".

Sabe quem é este simpático senhor? Albert Roger Mooh Miller, mas pode chamar de Roger Milla. Simplismente, o homem mais velho a disputar e marcar um gol em uma partida de Copa do Mundo. Foi em 1994, na Copa dos Estados Unidos. Sua equipe, Camarões, perdeu o jogo por 6×1. Mas o gol de honra do país africano, marcado aos 42 minutos do segundo tempo colocou, definitivamente, o nome de Milla na história das Copas do Mundo. Tudo isso porque, aos 42 anos e 39 dias, ele disputava seu terceiro Mundial (1982, 1990 e 1994) e se destacava.

Tudo bem, ainda faltava alguns anos para ele ser considerado idoso. Mas, em uma profissão em que aos 35, os jogadores já são considerados veteraníssimos, aos 42 foi um feito e tanto.

A sua melhor participação em Mundial, entretanto, foi na Copa da Itália, em 1990. Milla levou os Leões (apelido da seleção de Camarões) às quartas de finais. E não foi só suas qualidades futebolísticas que chamaram atenção. O “Senhor dos Leões”, como já foi chamado no Brasil, ao marcar gols, comemorava seus tentos de uma maneira bem peculiar. Ele corria para a bandeirinha de escanteio e fazia uma dancinha cheio de gingado. Segundo ele, essa dança tratava-se de uma sambadinha, que ele fazia para homenagear o brasileiro Careca e ao futebol brasileiro, que o encantava.

Confira abaixo, dois gols marcados por nosso personagem na Copa de 90 e sua famosa dancinha:

Vovó Delícia já entrou no clima da Copa do Mundo!

Por Sérgio Rangel

Playground para idosos

junho 6, 2010

Fazer exercícios é um mantra dos médicos, pela vida toda, desde a infância. Mas na infância é moleza, crianças são cápsulas de energia. Mas aí o tempo vai passando, passando, até que vai dando aquele cansaço.

Para estimular os exercícios depois que o tempo passou, uma associação de moradores criou uma espécie de playground para pessoas que há muito deixaram a energia da infância. Esse playground fica em Manchester, na Inglaterra.

Nesse espaço os exercícios dirigidos se tornaram mais agradáveis. Os aparelhos foram especialmente projetados para exercícios suaves. Existem aparelhos que mexem só a cintura, a pessoa fica parada da cintura pra cima e a máquina gira o corpo da cintura pra baixo.

Essa foi uma ótima forma de incentivar os exercícios daqueles que não podem pagar uma academia nem querem colocar roupa de ginástica. O presidente da associação de moradores, Winstor Flather diz que é possível frequentar o parque com a mesma roupa de passeio e a pessoa ainda se diverte.

Por: Luiza Boulanger

Quem é? Quem é?

junho 5, 2010

Quando falamos de Vó imaginamos, primeiro, aquela senhora clichê, velhinha, de cabelos brancos e tudo mais. Na verdade, sabemos que não é sempre assim. Com uma gravidez “antes da hora”, temos também uma mãe virando vó “antes da hora”. E se isso acontece duas vezes então…

Eis a nossa personagem de hoje:

Cantora conhecida internacionalmente, ganhou o prêmio “DVD de Ouro” em 2006. Sua inspiração musical é a cantora pop americana Christina Aguilera.

Seu nome é Tatiana dos Santos Lourenço, nascida no Rio de Janeiro, em 20 de setembro de 1979.

Descobriu quem é?

Ah, claro! Ela é um dos expoentes do funk carioca.

Tati Quebra-Barraco: cachorra, gatinha e avó aos 28 anos.

Agora ficou fácil, né!?

Siiiiiim, caros leitores! É a Tati Quebra-Brarraco! Ela é cachorra, é gatinha… e é avó!

Em primeiro de abril de 2009 (apesar do dia, não é mentira!), prestes a completar 29 anos, Tati tornou-se avó! O bebê é fruto da filha de Tati, de apenas 15 anos. A cantora diz que o neto Cauã é uma benção em sua vida, e que esse primeiro ano de vida não poderia ter sido melhor. Quem sabe não vem por aí uma música com o nome do netinho??

Esse é o Vovó Delícia dando espaço a todas as vovós: as velhinhas, as novinhas, as gatinhas, saradonas e, agora, boladonas!!

Por Ana Elisa Bassi

Amendoim

junho 4, 2010

Para animar o feriado, segue a piada que eu ouvi do Seu Antunes, um senhor de 72 anos, frequentador do Centro de Convivência de Jardim Camburi:

O rapaz vai com um amigo ao estádio assistir um jogo de futebol. Como a casa da avó fica no caminho ele resolve dar uma passadinha para cumprimentá-la. Aproveitando a presença do neto, a velhinha pede para ele consertar um vazamento na pia da cozinha. Enquanto isso ela leva o amigo do neto para a sala e oferece-lhe uma bebida. Junto com o copo está um pratinho de amendoins que o rapaz come sem parar, um por um. Tarde demais ele percebe que comeu tudo que havia no prato. Na hora de ir embora ele agradece calorosamente a avó do amigo:
– Origado pelo amendoim! Espero não ter abusado, não lhe deixei nenhum, desculpe!
A vovó, amável, responde:
– Não tem problema, meu filho. De qualquer jeito não posso comê-los. Depois que perdi meus dentes eu só lambo o chocolate que vem em volta.

Por Ana Elisa Bassi